Rio Grande é reconhecida como Capital Nacional das Águas pela Câmara Federal

Os Molhes da Barra, em Rio Grande. (Foto: Raquel Thormann)

O projeto de Lei que concede a Rio Grande o título de Capital Nacional das Águas foi aprovado nesta quarta-feira, na Câmara dos Deputados, em Brasília. A proposta, idealizada pela primeira-dama e Secretária de Desenvolvimento, Inovação e Turismo, Lu Compiani Branco, visa reconhecer a estreita relação de Rio Grande e de seu povo com as águas, recurso que esteve presente, em diferentes contextos, na história do município desde a sua fundação, sendo fonte de renda, além de inspiração para o turismo, através de suas belas paisagens.

Após elaborado, em ação transversal entre diferentes setores da Prefeitura, o projeto foi encaminhado para o deputado federal Alceu Moreira (MDB-RS), que protocolou junto a câmara. O município agora aguarda a sanção do Presidente da República.

A intenção da Prefeitura é a de que o projeto represente muito mais, sob o contexto econômico, para a comunidade. “Estamos trabalhando a economia do mar, temos a questão pesqueira como identidade da cidade, temos o Porto e sua importância econômica. A lagoa nos traz o camarão, o oceano traz os navios para o nosso porto, e assim por diante”, acrescenta.
Lu ainda acrescenta: “A ideia é que, através deste título, consigamos chancelar a nossa maior potencialidade. Rio Grande é uma península, cercada por águas dos oceanos, lagos e banhados”, afirma, vislumbrando, ainda, a possibilidade de trabalhar o contexto turístico, alinhado também com a inovação e o desenvolvimento econômico.

Para o secretário de Meio Ambiente, Pedro Fruet, que também atuou na concepção do projeto, a aprovação representa um reconhecimento da vocação da cidade. “A cultura das águas é muito forte em Rio Grande, tem tudo a ver com a cidade, por toda a ligação com o mar, com a lagoa, pela atividade pesqueira e pelas características da nossa comunidade. Faz parte da história da cidade, do cenário ambiental, social, cultural e econômico, e esse reconhecimento enriquece muito esse potencial, para reforçarmos ainda mais essa relação”, diz o secretário.

A respeito da área ambiental, ele acredita que o título possa reforçar o cuidado e o respeito com as águas no município e com a grande diversidade relacionada a elas. “Foi um dos componentes que apresentamos na justificativa do projeto de Lei. Rio Grande tem esse verdadeiro mosaico das águas, com uma biodiversidade muito rica, já que onde há abundância de água há abundância de vida”, comenta Fruet.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome