Sexta com gosto de poesia…

Manoel Jesus, educador. (Foto: Divulgação)

Quando me propus a fazer uma experiência publicando “poesias” refleti bastante a respeito do título. Fiz “laboratório” produzindo textos para alimentar a “época das vacas magras”, na possibilidade de faltar inspiração… Para não ofender aos poetas (bem mais competentes do que eu), fiz defesa na nomenclatura: não foi “sexta com poesia”, mas “sexta com GOSTO de poesia”. Acreditei ter argumento e pedir a generosidade nas avaliações, já que não eram poesias propriamente ditas, mas um “arremedo do gênero”.

Disse em muitos espaços que escrever, para mim, é uma necessidade que tenho desde o tempo do Seminário, que se organizou há cerca de 25 anos, quando comecei a publicar no jornal Diário Popular. Na época, pelas mãos do seu Clayr Rochefort e do amigo Álvaro Guimarães. Recentemente (creio que 12 anos), a convite de outro amigo, o Adilson Cruz, o artigo da semana foi inserido no Jornal Tradição. Sem contar as redes sociais que, nos últimos anos, dão uma grande repercussão a todo o material publicado.

Quando a pandemia iniciou, em seguida comecei a veicular um texto especial: “crônica de uma tarde de domingo”. Foi muito boa a repercussão, pois queria ser leve, divertida, emotiva, fazendo companhia para pessoas que estavam precisando de um amigo, em casa. Em junho, fazem três anos de um texto diferenciado, com a liberdade que permitiu falar de comportamento, lembranças de família, de amigos, dos meus vizinhos e “vileiros”, assim como as experiências com grupos de igreja, sociais e profissionais.

O “Sexta com gosto de poesia” são, na verdade, pequenas reflexões. Algumas mais espiritualizadas, outras falando de angústias existenciais. Fiquei surpreso com a repercussão. Ao ponto de ser aquela que, nas redes sociais, tem o maior número de acessos, seja por curtida, visualização e compartilhamento. Quando posto, pela manhã, sei que, em seguida, começarão as mensagens de identificação. Com os registros de que estão ouvindo antes de levantar, ao café da manhã, sozinhos ou acompanhados.

O que emociona são pessoas que acabaram escrevendo, depois de ler ou ouvir: “tô chorando”, “tu já me fizeste rir, chorar, ter raiva de ti e te amar”, “quando li o texto terminei com uma lágrima rolando e uma sensação de leveza”, “queria ter escrito o que tu escreveu”. As respostas são pequenos mimos que compensam momentos em que a ansiedade fazia duvidar se, de fato, os leitores/ouvintes ainda querem ouvir poesia, no sentido convencional, ou mesmo o que ofereço: reflexões com uma pitada de poesia.

“Sexta com gosto de poesia” completa dois anos em março. Tem sido desafiador fazer e compensador ouvir mensagens dividindo comigo os sentimentos que despertam. Não imagino melhor retorno que este. Confesso: gostaria que as pessoas comentassem e compartilhassem mais. O que faço, assim como muitos escritores, é embalar os meus sonhos e o sonho de outros, tendo sempre a perspectiva de tornar a vida mais leve e experimentar a doçura de dar, a cada um de vocês, pequenos momentos de felicidade…

Link para YouTube em https://youtu.be/AaOOtuq0RxM?si=19mm5UJx-8sc99zl

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome