Prepare seu voto com carinho

Manoel Jesus, educador. (Foto: Divulgação)

Faltando pouco para as eleições, este é o tema do qual se precisa falar, embora alguns acreditem que esteja batido e rebatido. Engano, o zelo pela democracia é elemento fundamental para que se respeite a cidadania, tendo no voto o elemento chave. Meus candidatos estão definidos e vou levar uma “cola” para não me atrapalhar. Diferente do segundo turno, quando são até dois votos, ou das eleições para prefeito, a fila contempla deputado federal, estadual, senador, governador e presidente.

Digo isto porque nas eleições passadas não fiz a “cola” e me atrapalhei. Perdi um voto! Para quem defende o voto sempre, é a sensação de que ficou incompleto. Prepare seu voto com carinho. Um pedaço de papel, converse com familiar ou amigo de confiança e complete a cédula. Fique atento: este ano, não pode usar o celular. Não vai ser permitido portar o aparelho enquanto estiver na urna. Segurança justa e necessária para que o meu, o seu, o nosso voto seja apenas o meu, o seu, o voto de cada um, sem interferências…

Difícil dizer o que alguém deve esperar dos candidatos, num tempo em que se ouve a repetição das mesmices de praticamente todas as eleições. Mas você já sabe quem andou por vilas e interior pedindo voto e depois sumiu. Então, suma com o voto nele! Tem também o paraquedista que até já viveu em outros lugares e agora quer dizer que conhece a sua realidade. Desconfie… Se a figura política lhe prometer o óbvio, que já é um direito seu e pelo qual nunca se importou, porque vai fazer isto exatamente agora?

Infelizmente, o brasileiro desconhece o conjunto dos seus direitos e deveres. Quando sabe de alguma coisa é parcialmente, porque alguém o alertou. Então é triste se ouvir um candidato dizer que vai defender direitos óbvios da família ou a liberdade religiosa, por exemplo. Como assim? Sendo uma figura pública, quase todos presentes de alguma forma na vida política, já sabe (e se faz de ignorante) que a proteção da família e o respeito ao credo alheio já estão na Constituição Federal de 1988.

Interpretações deturpadas ou interesseiras (quando não mal-intencionadas) ainda não concretizaram todos os direitos, no caso de dar dignidade à estrutura familiar e, no direito ao credo de cada um, misturando política partidária com crenças, que acirram ânimos e impedem o conhecimento das reais intenções. Poderes públicos – executivo, legislativo e judiciário – devem respeitar o estado laico por representar a todos e não apenas a um grupo que mais do que um projeto de governo tem um projeto de poder.

Infelizmente, não aprendemos com a história o quanto interesses partidários que se instalam em religiões são nefastos à própria religião. A Igreja Católica, assim como as evangélicas tradicionais, tem na sua doutrina social elementos para definir o voto e não passa pela eleição de padres, pastores ou reverendos. Atuar na política partidária é função dos leigos, lembrando o documento de Aparecida (Igreja Católica): “o leigo é a presença do Mundo no coração da Igreja. E a presença da Igreja no coração do Mundo!”.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome