O desejo sexual em homens e mulheres

Otávio Avendano é Psicanalista, hipnoterapeuta e neurocientista do comportamento humano. (Foto: Arquivo Pessoal)

O desejo como comportamento sexual humano atua como a motivação para o sexo, ou seja, ele nada mais é do que um meio para chegar aos fins. É claro que uma definição assim tão simples pode levar a equívocos. É por isso que hoje se busca entender o desejo sexual de forma mais ampla.

Podemos definir desejo sexual ou libido como pensamentos sexuais, fantasias ou impulso sexual. E junto dessa definição podemos dizer que ele envolve não apenas a vontade de fazer sexo, mas também questões culturais, questões de gênero, de comunicação, de afetividade (e também da não-afetividade), questões religiosas e muitos outros pontos essenciais.

Enfim, fato é que desejo sexual é muito mais do que o nosso cérebro apenas “querendo fazer sexo” por fazê-lo.

O ciclo da resposta sexual humana tem 4 fases:

• Desejo/excitação
• Prazer
• Orgasmo
• Resolução (do desejo)

Homens e mulheres possuem essas 4 fases. Porém, nas mulheres deste estudo, elas costumam variar de tempo e até mesmo se repetirem, não apenas seguindo uma linha cronológica.

Além disso, o desejo sexual é também uma questão de gênero.
A socialização feminina leva em conta a repressão sexual desde muito tempo e, em muitos lugares, essa repressão continua valendo. A ideia de que a mulher precisa se manter virgem para o casamento, por exemplo, impacta claramente no desejo e expressão sexual dessa mulher. Mais do que isso, aliás, impacta na construção desse desejo para toda uma comunidade.

Da mesma forma, a socialização masculina também se torna nociva. Nela, existe uma hipersexualidade, a necessidade da força e até mesmo da violência. A repressão de sentimentos pode causar sérios impactos no psicológico e mental, até mesmo levando a algumas disfunções sexuais.

Se, por um lado existe toda uma resposta fisiológica e ligada principalmente ao sistema nervoso, existe um viés cultural importante quando falamos em desejo sexual.

Afinal, o que estimula o cérebro a ter essa resposta sexual a determinadas coisas? Por que certos tipos de pessoas nos atraem e outras não? O tabu sobre o sexo pode afetar o desejo sexual das pessoas?

Todas essas questões vêm de um ponto de vista mais cultural. Aqui entram pontos como a moral e as imposições sociais. Por exemplo:

• em alguns lugares do mundo, uma certa parte do corpo pode ser mais provocativa do que outra;
• em épocas diferentes, a mulher não podia ter desejo sexual;
• hoje, todos são obrigados pela sociedade a experienciar desejo, do contrário são considerados defeituosos;
• em certos países não se fala sobre sexo abertamente, já em outros essa é uma conversa comum (e vista como necessária)……

Portanto, todos esses pontos alteram a forma como nós, humanos, experienciamos o desejo e como ele surge para a maioria em uma comunidade.

Cabe-nos vivenciar a própria sexualidade de maneira saudável e que a troca seja agradável para os dois, pois nenhuma substância é capaz de produzir uma sensação igual a de um bom orgasmo.

*Otávio Avendano é especialista em Hipnose Clínica e pós-graduado em Neurociências e Comportamento

Telefone/WhatsApp: (53) 99162.7411
Instagram: @otavioavendano

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome