Megaesôfago – o que é?

Você já deve ter se deparado com vídeos bonitinhos de cachorros felizes indo fazer suas refeições em uma plataforma elevada, onde eles ficam perfeitamente em pé ou sentados nas patas traseiras. Porém, isso não é simplesmente adestramento. Isso é uma condição onde eles dependem dessa posição vertical para se alimentarem sem devolverem o alimento ingerido.

Doenças congênitas são aquelas causadas pelo fator genético. Ou seja, é uma condição em que o DNA dos pais ou dos antecessores carrega genes que, quando se expressam, causam alterações no corpo durante a formação do indivíduo ou ao longo do seu desenvolvimento. Principalmente para cães, uma dessas doenças é o megaesôfago. Em menor ocorrência, os animais também podem apresentar os sintomas depois de adultos, ou seja, de forma adquirida.

O esôfago é um órgão tubular com a simples e importantíssima função de transportar o alimento deglutido na cavidade oral até o estômago, para que seja digerido e seus nutrientes absorvidos posteriormente no intestino. Os cães, diferente do ser humano, por serem quadrúpedes possuem uma posição anatômica horizontal. Isso significa que o esôfago necessita mais dos movimentos peristálticos para deslocar o alimento por não obter ajuda da gravidade.

Quando o animal apresenta megaesôfago, não há essas contrações da musculatura lisa do órgão, fazendo com que o alimento fique estagnado, sem progredir ao estômago. Os principais sintomas dessa afecção são salivação excessiva, dificuldade ao engolir e, principalmente, regurgitação do alimento. Diferente do vômito, a regurgitação é o simples retorno do alimento, sem a necessidade do animal realizar força para expelir o alimento.

A principal dificuldade é que não há tratamento para o megaesôfago. Há sim a necessidade de adequação do animal a novos hábitos alimentares. Além de necessitar diminuir a quantidade de comida em cada refeição, aumentar a frequência de refeições durante o dia garante que o animal tenha a nutrição adequada a cada dia. Mas o principal fator para que o cão consiga se alimentar com bem-estar é a verticalização do pescoço. Por isso a utilização de cadeiras especiais para cães é uma técnica ótima. Outra manobra que pode ser feita – quando não há a possibilidade da cadeira – é colocar o prato de comida em uma escada, numa posição mais elevada para o pescoço ser levantado. Quando há dedicação e cuidado adequado dos tutores com a alimentação, cães com megaesôfago podem ter uma vida longa e feliz.

Dica veterinária da semana

Se seu cão regurgitar a comida ingerida frequentemente logo após cada refeição, principalmente se for um animal jovem, leve ao veterinário para a realização de exames complementares como radiografia contrastada e endoscopia, que são os exames definitivos para diagnóstico da doença.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome