Idoso no trânsito: quais cuidados tomar e quando é hora de parar de dirigir

Os idosos se deslocam com mais frequência a pé, especialmente para acessar o transporte público, o que os torna mais expostos e, consequentemente, as maiores vítimas fatais como pedestres.

De acordo com a Seguradora Líder, que administra o Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (DPVAT), nos últimos cinco anos as ocorrências de acidentes envolvendo idosos tiveram um crescimento de 33%. Embora a quantidade de óbitos seja menor que a quantidade de casos de invalidez permanente, no período analisado os casos de morte cresceram 40%, contra 28% de invalidez.

Além de ter que se adaptar a uma nova realidade, pois muitos desses idosos viveram em um tempo que o trânsito era muito mais sossegado, outros fatores contribuem com essa fragilidade apontada pelas estatísticas, como o processo natural do envelhecimento.

O que diz a legislação
Para tirar uma Carteira Nacional de Habilitação (CNH) não existe idade limite, apenas exige-se que, após os 65 anos, a carteira de habilitação seja renovada a cada três anos. O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) regulamenta que 5% das vagas dos estacionamentos públicos e privados têm de ser posicionadas para melhorar a comodidade do idoso.

Os veículos estacionados nas vagas reservadas deverão, obrigatoriamente, exibir credencial de estacionamento de idoso sobre o painel do veículo, com a frente voltada para cima. A credencial é gratuita, emitida pela Prefeitura (dependendo do Município) ou no Detran de cada estado. O direito é do idoso e de quem transporta-o. A credencial é válida por cinco anos e em todo território nacional.

Na próxima edição, continuaremos com esse assunto.

Fonte: Uol

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome