Pelotas: Prédio do Conservatório de Música será revitalizado

O início dos trabalhos será em abril de 2022.(Foto: Divulgação)

O imponente sobrado do Conservatório de Música de Pelotas será restaurado. A boa notícia foi transmitida pela Santa Fé Produtora & Patrimônio à direção da casa musical, à direção da Associação Amigos do Conservatório de Música de Pelotas (ASSAMCON) e à Reitoria da Universidade Federal de Pelotas (UFPel).

O projeto “Restauro inicial do Conservatório de Música de Pelotas” foi aprovado no dia 1º de setembro pelo Sistema Pró-Cultura, do Governo do Estado do Rio Grande do Sul. A obra, idealizada com o objetivo de preservar a história e a cultura de Pelotas, recebeu autorização para captação de recursos, via incentivo fiscal deduzido do ICMS de empresas do município, no valor aproximado de R$ 1,264 milhão.

O início dos trabalhos será em abril de 2022 e prevê o restauro da cobertura com colocação de telhas portuguesas tipo capa canal e a conservação curativa e restauração de partes faltantes das fachadas do sobrado. De acordo com a produtora cultural da Santa Fé, Josiele Castro, esta será a primeira parte da recuperação do imponente palacete, sendo um passo importante para garantir as demais etapas da total revitalização e resolução dos diversos problemas estruturais advindos da ação do tempo.

Reformas urgentes e emergenciais no telhado, piso e fachada têm sido, ao longo dos anos, adiadas ou trocadas por ações paliativas, a ponto de colocar em risco, em algumas circunstâncias, a segurança do prédio e o bom funcionamento dos cursos. Com 103 anos de fundação, tem vivido a expansão de suas atividades de ensino, pesquisa e extensão, enquanto tentava solucionar os graves problemas na infraestrutura de seu prédio. A ação do tempo fragilizou as estruturas, resultando em goteiras, rachaduras, pisos deteriorados por cupins, janelas com madeiramento em elevado estado de degradação, etc. O caso do telhado, por exemplo, quase resultou na interdição do prédio em 2015 e, como consequência, a quase perda da sede da instituição.

A UFPel vinha buscando soluções para esse impasse que deixava toda a comunidade musical apreensiva. Com a aprovação do projeto via LIC RS, a cidade de Pelotas, finalmente, poderá comemorar o restauro do palacete construído entre 1832 e 1835 e que foi a residência do charqueador Domingos de Castro Antiqueira, o Visconde de Jaguari. Assim que concluídas as obras, a etapa seguinte deverá contemplar a recuperação da parte interna do prédio, restauro das aberturas, pinturas e instalação de elevador, permitindo acessibilidade inclusive ao Salão Milton de Lemos.

Além da troca da cobertura e conservação curativa das fachadas, está previsto um Plano de Educação Patrimonial, na forma de vídeo, sobre as intervenções realizadas no telhado e audiovisual referente às vistorias de drone na obra, que servirão como referenciais para estudantes ou profissionais da área de Conservação e Restauro ou afins.

A Santa Fé é a empresa responsável pela execução geral do restauro do prédio. A elaboração e gestão do projeto são da produtora cultural Josiele Castro. Fazem parte da equipe do projeto a diretora de Marketing Flávia Kuhn, a engenheira civil Michele Bandeira Zehetmeyer, a estagiária de engenharia Shaiane Rosa Tarouco e os mestres conservadores restauradores Flávia Silva Faro e Fábio Galli Alves. São prestadoras de serviços as empresas Lessandrorosa Arquitetura e Design e Edipel Construções. A responsabilidade técnica é do arquiteto Lessandro Rosa.

Sobre o prédio do Conservatório
O Conservatório de Música de Pelotas funcionou como instituição particular desde sua fundação em 1918, até ser municipalizado pela Lei n° 34, de 7 de maio de 1937, da Câmara Municipal de Vereadores de Pelotas.

Em 17 de novembro de 1983, a Câmara Municipal aprovou e o prefeito Bernardo de Souza promulgou, através da Lei nº 2.809, a transferência do Conservatório à UFPel, com todo o seu acervo de bens móveis.

O Conselho Municipal do Patrimônio Histórico e Cultural (COMPHIC), dentro das comemorações alusivas ao 173º aniversário de Pelotas e com a homologação do prefeito Bernardo de Souza, procedeu, em 03 de julho de 1985, ao Tombamento Municipal definitivo do prédio que abrigava em seu andar superior o Conservatório de Música de Pelotas, e no térreo (à época) as instalações administrativas do Serviço Autônomo de Saneamento de Pelotas (SANEP).

Em fevereiro de 2004, foi protocolado pelo deputado Bernardo de Souza, na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, um projeto de lei que propunha o reconhecimento do Conservatório de Música da UFPel como Patrimônio Cultural do Estado. O referido projeto foi aprovado por unanimidade e reconhecido pela Lei nº 12.133, de 26 de julho de 2004, o que deveria garantir a sua preservação e permanência como parte fundamental da história e da memória da cidade de Pelotas. Embora o prédio estivesse vulnerável, o patrimônio imaterial estava assegurado.

O prédio do Conservatório de Música, de acordo com o Edital de Notificação publicado no D.O.U. nº 82, de 30 de abril de 2018, passou a ser protegido, também, por Tombamento Federal, sendo considerada a sua preservação parcial, ou seja, conservação das características arquitetônicas, artísticas e decorativas externas do imóvel – fachada e volumetria.

O andar térreo do prédio histórico foi, desde 1965, ocupado pelo SANEP. Em 04 de abril de 2020, após cessão da Prefeitura de Pelotas mediante troca com a UFPel pelo prédio da antiga Justiça do Trabalho, o local foi integralmente repassado ao Conservatório. Foram quase dez anos de luta do Centro de Artes da UFPel para que isso ocorresse. Durante esse processo, houve uma ação conjunta entre servidores e apoiadores da comunidade para que o imóvel recebesse reparos pontuais e, também, para que ambas as instituições importantes para Pelotas – o Conservatório e o SANEP – pudessem estar adequadamente alocadas.

Para a diretora do Conservatório, professora Magali Richter, a revitalização é um sonho acalentado por muitas pessoas, que passou a ser realidade por meio de um trabalho coletivo. “Não temos palavras para a emoção que sentimos. A arte musical e o próprio prédio do Conservatório fazem parte da comunidade de Pelotas. Nós nos envolvemos nesse projeto e estamos conseguindo sair vitoriosos”, celebra.

Protagonismo
Na ação para sanar problemas imediatos, o Conservatório contou com o apoio do professor Armando Oxley, da arquiteta Helenice Couto e da construtora Porto 5. A equipe da UFPel na busca de recursos e ações contou com a ajuda fundamental da técnica-administrativa Eliane Brum, da então diretora do Centro de Artes, Ursula Silva, da diretora e da vice-diretora do Conservatório na época, Leonora Oxley e Magali Richter, dos professores Marcelo Cazarré e Luiz Guilherme Goldberg, além da presidente da ASSAMCON, Regina Brito, do diretor da fábrica de bebidas Biri, Jorge Vilmar Tuchtenhagen e do então reitor, Pedro Hallal. Atualmente, da reitora Isabela Andrade e do pró-reitor de Planejamento e Desenvolvimento, Paulo Ferreira Júnior.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome