Pelotas: Inspeção Municipal avança com o aumento de empreendimentos

Novos abatedouros e agroindústrias sob controle do SIM. (Foto: Divulgação)

Instituído no Município pela Lei 6.643/2018 e regulamentado pelo Decreto 6.163/2019, o Serviço de Inspeção Municipal (SIM) fortaleceu-se durante o período de pandemia da Covid-19, com o aquecimento no setor de produtos de origem animal – abatedouros e agroindústrias -, que deu um salto de 27 para 37 empreendimentos.

“Desde a criação do SIM, ano a ano se contabiliza o processo de crescimento de empreendimentos, tanto de fabricação de produtos de origem animal, como das unidades frigoríficas de abate de bovinos, suínos, ovinos e aves. Durante um ano e meio de pandemia, houve significativo acréscimo de atividades submetidas à inspeção”, salienta o secretário de Desenvolvimento Rural, Jair Seidel.

O SIM é um serviço vinculado ao Município, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR). Conta com equipe integrada por oito veterinários e seis técnicos agrícolas, que desenvolve atividades de inspeção diária nos abatedouros e, regularmente, nas agroindústrias.

O trabalho dos especialistas em inspeção consiste na visualização, in loco, desde o abate até a produção dos abatedouros e das unidades de fabricação de produtos de origem animal. O objetivo é conferir a sanidade, o preparo, a armazenagem e todas as etapas que envolvem a manipulação do alimento. Amostras são coletadas para exames laboratoriais, com a finalidade de apurar a presença de doenças. A água utilizada na rotina dos empreendimentos também é analisada.

“O trabalho da inspeção valida as condições do produto para consumo e a qualidade. Nenhum produto de origem animal tem permissão para ser comercializado sem inspeção”, observa o secretário.

Os dez novos empreendimentos

Os dez novos empreendimentos de produtos de origem animal, que se estabeleceram em Pelotas, nas zonas rural e urbana, em um ano e meio, são três frigoríficos/abatedouros e sete agroindústrias. Ao todo, a cidade conta com dez abatedouros e 27 agroindústrias. O faturamento anual do setor ultrapassa os R$ 100 milhões, aquecendo a economia do Município, que ganha com os tributos do comércio da produção.

“A estimativa aponta que os dez abatedouros e as 27 agroindústrias estejam gerando, no momento, cerca de 330 postos de trabalho. O Município participa diretamente no crescimento do setor, com ações de fomento determinadas pela Lei 6.488/2017, apoio e elaboração de plantas e planos de negócios e licenciamento ambiental”, revela Seidel.

Depois de implantado, o empreendimento continua contando com a participação do serviço público, através do credenciamento de produtos, inspeção, e capacitação dos empreendedores e seus colaboradores quanto às boas práticas, visando à garantia da sanidade e à qualidade do que chegará ao consumidor.

Os três frigoríficos/abatedouros que iniciaram as atividades a partir de março de 2020 são: Knorst (abate de aves), localizado no 3º distrito, Cerrito Alegre; ampliação do matadouro Rutz (bovinos), no 4º distrito, Triunfo; e, Casa Nostra (bovinos e ovinos), no bairro Areal.

As sete agroindústrias de produtos de origem animal, instaladas nos anos de 2020/2021, são: Colina, fabricação de embutidos, localizada na Colina do Sol; Cordeiro Premium Klug, no Areal; Queijos Crochemore, na Colônia Santo Antônio, 7º distrito, Quilombo; Estrela do Mar, Colônia de Pescadores Z3; Cordeiro Suely, na Sanga Funda; Verdes Mares Pescados, no bairro Três Vendas; e ampliação da Agroindústria de Embutidos A & Z Alimentos, no loteamento Liberdade, Três Vendas.

Além dos dez novos empreendimentos, que consolidam o crescimento do setor, há mais três em processo de construção, que deverão entrar em funcionamento ainda neste ano. Trata-se de mais investimentos no ramo de produtos de origem animal: Cantinho do Peixe (Laranjal); Alemão (beneficiamento de carne bovina, embutidos), no Dunas, Areal; e Suinosul, no bairro Três Vendas.

Enviar comentário

Envie um comentário!
Digite o seu nome