Quarta, 19 de setembro de 2018, 04:56h


Publicidade

Sicredi
Tordilho

Este conteúdo precisa do Adobe Flash Player instalado.

Get Adobe Flash player


Newsletter

Jornal Tradição

Ano XIII - Número 625 setembro - 2018

Fechar X

Ano XIII - Número 625

setembro - 2018


Galerias

Publicidade

Especiais

Jornal Tradição

Caderno Especial Semana Farroupilha 2018 2018/09

Receitas

Bolo Brownie

Assine


Home Variedades

Variedades

02-01-2018

Esperança e dor comovem a comunidade de Piratini em prol de Arthur


Foto: Nael Rosa/JTR Nos atos fnebres, dor e comoo de uma comunidade

Apenas sete dias, para que, de alguma forma, a comunidade que acabara de doar mais de R$ 11 mil para a bebê Maria Flor, que sofre da síndrome de SMARD, fosse sensibilizada. O tempo era inimigo para Ana Paula Dávila, de 30 anos, e Rubilar Dias, de 38, juntos há 13 anos e que em três meses, teriam o Arthur.


Mas, em uma ultrassonografia, veio o diagnóstico que tirou a alegria do casal. O exame revelou que o feto era portador de  Hérnia Diafragmática Congênita (HDC), ou seja, uma hérnia que comprimia os pulmões impedindo o desenvolvimento dos mesmos.



O médico pediu para que a família fosse para São Paulo, pois lá havia 75% de chances do filho nascer vivo, já que no Hospital de Clínicas da capitalera possível uma cirurgia intrauterina, onde pela traqueia de Ana seria inserido um balão que ficaria entre os pulmões de Arthur e permitiria a retomada do crescimento do órgão. O balão seria retirado com 32 semanas e após nascer, tudo isso em São Paulo, Arthur realizaria uma cirurgia, com estimativa de até um ano na UTI.


O problema é que o procedimento delicado só poderia ser feito até 28 semanas de gestação e a mãe já estava com 26. Assim, a madrinha de bebê, Patrícia Peres, que é paulista e mora em Piratini há dois anos, decidiu acompanhar a futura comadre na viagem planejada para o dia 2 de janeiro.


Começou então a busca por recursos. O programa Bom Dia Nativa, que fechou a soma em prol de Maria Flor em R$ 11.600, se somou à rede do bem e, em quatro dias sensibilizou a população arrecadando R$ 9.743,00. Outras campanhas paralelas e doações direto à família quase dobraram este valor.


Mas no último sábado (30), ao receber o dinheiro arrecadado, Ana se queixou de dores nas costas e cólicas. Ela não sabia, mas estava entrando em trabalho de parto.


No dia seguinte, as dores aumentaram. Ela foi levada ao hospital local, onde ocorreu o rompimento da bolsa. Às pressas, foi levada para Hospital Escola da Universidade Federal de Pelotas – FAU. Imediatamente, foi decidido realizar o parto pela cesariana, porque a mãe corria risco de vida. Arthur nasceu vivo, mas teve três paradas cardiorrespiratórias, foi reanimado, mas veio uma quarta e ele não resistiu.


No velório, sem a presença da mãe, um frase resumiu a comoção: "Foi a cena mais triste que eu já vi na minha vida”, emitida por Vagner Guastucci, amigo do pai. 


Ele se referiu ao gesto de Rubilar, por conta da carga emocional, de acompanhar da Capela Mortuária até o túmulo, onde o filho foi sepultado no Cemitério Municipal.


Rubilar agradeceu a todos que ajudaram na campanha. E ainda, disse que doará o dinheiro que sobrou para uma entidade ou para Maria Flor.  "Esse dinheiro não é nosso. Vamos reunir todos que nos ajudaram e decidir a melhor forma de destinação", encerrou.


Redator: Tradio Regional



Outras notícias desta editoria

Comentários (0)





Fechar  X

Esperança e dor comovem a comunidade de Piratini em prol de Arthur





O Jornal Tradição Regional não se responsabiliza pelo conteúdo do comentário e se reserva ao direito de eliminar, sem aviso prévio ao usuário, aqueles em desacordo com as normas do site ou com as leis brasileiras.


Serão vetadas as mensagens que:


  • Não tratarem do tema abordado na notícia;
  • Sejam repetidas as enviadas pelo mesmo leitor, ainda que com outras palavras;
  • Tenham intenção publicitária, de propaganda partidária, eleitoral ou comercial;
  • Tenham conteúdo ou termos obscenos ou ofensivos;
  • Incentivem racismo, discriminação, violência, medo ou outros crimes;
  • Promovam participação de correntes, spams ou lixo eletrônico.


As opiniões expostas não representam o posicionamento do Jornal Tradição Regional, que não se responsabiliza por eventuais danos causados pelos comentários. A responsabilidade civil e penal pelos comentários é dos respectivos autores. O usuário tem ciência e concorda expressamente com a prerrogativa de restringir quaisquer conteúdos que violem ou que possam ser interpretados como violadores às disposições do presente instrumento.

Enviado com sucesso!

Em breve, o Jornal Tradição
Regional entrará em
contato com vocé.

ok

Fechar  X

Esperança e dor comovem a comunidade de Piratini em prol de Arthur


Enviado com sucesso!

ok


Jornal Tradição Regional - O elo da notícia até você.

Av. Imperador Dom Pedro I, 1886, sala 1 - Bairro Fragata - CEP: 96030-350 - Pelotas/RS

E-mail: jornaltradicao@jornaltradicao.com.br / Telefone: (53) 3281 1514

© Todos os direitos reservados