Domingo, 24 de junho de 2018, 06:14h


Publicidade

Trilegal
Sicredi
Tordilho

Este conteúdo precisa do Adobe Flash Player instalado.

Get Adobe Flash player


Newsletter

Jornal Tradição

Ano XIII - Número 613 junho - 2018

Fechar X

Ano XIII - Número 613

junho - 2018


Galerias

Publicidade

Especiais

Jornal Tradição

Caderno Especial 161 anos de Canguçu 2018/06

Receitas

Sopa paraguaia

Assine


Home Colunistas

Hora Luterana

2014-06-18 Dupla nacionalidade

Há pessoas que possuem dupla nacionalidade. Na Copa do Mundo, jogadores que nasceram em um país podem jogar em outro. Um exemplo é o atacante Diego Costa, que nasceu no Brasil, mas defende as cores da seleção espanhola.

Espiritualmente também existe uma espécie de dupla nacionalidade. Segundo a Bíblia, nós nascemos em estado de pecado e com tendências a vivermos distantes de Deus. Não somos pecadores só porque cometemos pecados, mas cometemos pecados porque já nascemos pecadores. Por esta razão Jesus afirma que “ninguém pode ver o Reino de Deus se não nascer de novo”. Jesus não estava falando em voltar ao ventre materno, mas sim em “nascer pela água e pelo Espírito de Deus”. Quem nasce de pais humanos é um ser de natureza humana, mas quem nasce do Espírito é um ser espiritual (João 3). É com estas palavras de Jesus que entendemos a dupla nacionalidade espiritual. Outro texto que nos fala sobre isso é Romanos 7.15-25.

As pessoas que estão ligadas a Jesus mediante a fé são novas criaturas, são herdeiras e cidadãs dos Céus. Porém, curiosamente, segundo a Escritura, e conforme podemos ver na prática, elas continuam sofrendo todas as pressões e tendências ao pecado que as pessoas que não tem fé. Na teologia, a expressão latina diz: “simul iustus et peccator” simultaneamente justos e pecadores. Os cristãos são 100% pecadores, mas também são 100% perdoados em Jesus. O paradoxo matemático apenas se explica porque o perdão e a justiça não procedem do ser humano, mas vem de Deus. Assim está escrito: “Pela graça sois salvos, mediante a fé, isso não vem de vós, é dom de Deus, não de obras, para que ninguém se glorie!” (Ef 2.8-9)

A nova nacionalidade vem da graça de Deus e se torna nossa por meio da fé! Mas em si mesmo, por natureza e nascimento, somos pecadores.

Diego Costa, apesar de brasileiro, escolheu jogar na Espanha. Na vida do cristão, a cada novo dia, a dupla nacionalidade se faz presente. Para que time ele está jogando ou vai jogar? Ou ele joga segundo a sua natureza pecaminosa, ou ele joga segundo o Espírito Santo (Gl 5.16-26).

No domingo (8), mais uma vez a Igreja comemorou o Pentecostes, quando o Espírito Santo desceu sobre os discípulos. Sem o Espírito Santo ninguém pode crer em Deus e pertencer ao seu Reino (1 Co 12.3). Mas com o Espírito de Deus somos habilitados a entrar no seu time.

No time de Jesus já somos mais que vencedores! Nenhuma contusão pode nos cortar deste time, nem o mundo lá de cima, nem o mundo lá de baixo, nada pode nos separar do amor de Deus que é nosso, em Cristo (Rm 8.37-39). Uma vez ressuscitados, após a morte, estaremos livres de toda lágrima, angústia e dor (Ap 21.4). Todas estas coisas ligadas à velha natureza pecaminosa terão passado, em Jesus, tudo é e será novo!

Ismar L. Pinz

ismarpinz@gmail.com

Comunidade Luterana Cristo Redentor

www.horaluterana.org.br

Comentários (0)





Fechar  X

Dupla nacionalidade




Enviado com sucesso!

Em breve, o Jornal Tradição
Regional entrará em
contato com vocé.

ok

www.horaluterana.org.br

Arquivo

Publicidade

Publicidade



Jornal Tradição Regional - O elo da notícia até você.

Av. Imperador Dom Pedro I, 1886, sala 1 - Bairro Fragata - CEP: 96030-350 - Pelotas/RS

E-mail: jornaltradicao@jornaltradicao.com.br / Telefone: (53) 3281 1514

© Todos os direitos reservados