Sexta, 14 de dezembro de 2018, 00:21h


Publicidade

Tordilho
Sicredi

Este conteúdo precisa do Adobe Flash Player instalado.

Get Adobe Flash player


Newsletter

Jornal Tradição

Ano XVIII - Número 637 dezembro - 2018

Fechar X

Ano XVIII - Número 637

dezembro - 2018


Galerias

Publicidade

Especiais

Jornal Tradição

Caderno Agronegócio - Edição IV 2018/11

Receitas

Pêssego Trufado

Assine


Home Colunistas

Versão do Fato

2015-11-09 Idoso: entre o analógico e o digital

Depois que formatei o meu pensamento sobre "10 coisas que aprendi com os meus 60 anos", muitas são as discussões que se dão nos diversos ambientes para os quais sou convidado. Duas coisas chamam a atenção: a consciência de que a minha geração é privilegiada por fazer esta transição pessoal do "analógico" para o "digital" e a grande pergunta: "E agora, José, o quê fazer?"

A nova geração dos "velhinhos" não se sente mais idosa quando é capaz de encontrar o seu próprio espaço. Embora o espelho e as fotografias, muitas vezes, sejam traiçoeiros e insistam em mostrar imagens com as quais não concordamos, sentimo-nos em processo de transição: fazemos parte de um grupo que viveu o "ontem" - a eletricidade aparecia, saneamento era precário e nem se imaginava a inclusão digital.

O "hoje" exige uma quebra de preconceitos e readequação. Em conversas, observo que a maior parte das pessoas tem um smartphone e não sabem o que fazer com ele. Em suas mãos possuem uma plataforma que pode até lhes dar um telefone. Mas carregam um leitor de livros, revistas, jornais; emissoras de rádio, televisão, vídeos armazenados; blocos de notas, calendários, calculadoras... Em síntese: um escritório na palma da mão, acessível de qualquer lugar onde a pessoa se encontra.

O que falta é quebrar o ranço a respeito das novas tecnologias e utilizá-las para a coisa mais elementar: tornar mais fácil as nossas vidas, propiciando mais momentos de prazer e felicidade! Um treinamento para utilizar estes novos equipamentos e seus mistérios que, na maior parte das vezes, são bloqueados por receios infundados. Superados, causam remorsos porque a pessoa não se dispôs a usá-los antes.

Uma das primeiras acusações: "isto vicia", trazendo o exemplo dos jovens que já não saem da frente do computador. Esta é outra discussão: a utilização do instrumental. Gosto muito do seguinte exemplo: numa gaveta da cozinha você tem uma faca afiada. Ela pode cortar uma carne... Mas, também, pode matar alguém. O problema não está na faca (instrumento), mas em quem a usa.

Uma senhora reclamou quando encontrei uma citação bíblica no meu celular. Queria uma Bíblia. Perguntei como era a sua. Contou: de papel, bem encadernada. Disse que a dela também não correspondia ao modo como a Bíblia tinha sido escrita, em pergaminho ou em papiro. Da mesma forma, os equipamentos de informática: preconceitos nos mantêm presos a um mundo analógico (atraso, acomodação...), mas podem ajudar a dar um salto na qualidade de vida e aproveitar os recursos que vêm deste "misterioso" mundo digital!

Comentários (0)





Fechar  X

Idoso: entre o analógico e o digital




Enviado com sucesso!

Em breve, o Jornal Tradição
Regional entrará em
contato com vocé.

ok

Manoel Jesus

Educador



manoeljss@hotmail.com

Arquivo

Publicidade

Publicidade



Jornal Tradição Regional - O elo da notícia até você.

Av. Imperador Dom Pedro I, 1886, sala 1 - Bairro Fragata - CEP: 96030-350 - Pelotas/RS

E-mail: jornaltradicao@jornaltradicao.com.br / Telefone: (53) 3281 1514

© Todos os direitos reservados