Sexta, 14 de dezembro de 2018, 00:20h


Publicidade

Tordilho
Sicredi

Este conteúdo precisa do Adobe Flash Player instalado.

Get Adobe Flash player


Newsletter

Jornal Tradição

Ano XVIII - Número 637 dezembro - 2018

Fechar X

Ano XVIII - Número 637

dezembro - 2018


Galerias

Publicidade

Especiais

Jornal Tradição

Caderno Agronegócio - Edição IV 2018/11

Receitas

Pêssego Trufado

Assine


Home Colunistas

Versão do Fato

2015-10-19 Ensinar: um gesto de amor

15 de outubro. Dia para lembrar da profissão que já foi sinônimo de sacerdócio e, hoje, tem a triste sorte de estar à mercê de políticos e administradores que, por não valorizarem a própria educação, também não valorizam aqueles que deveriam indicar os caminhos mais seguros no desenvolvimento social: o professor.

Passei 20 anos lecionando em uma universidade. Percebi, ao menos, três tipos de professores: o burocrata, que cumpre uma tarefa e espera a recompensa do seu salário; o carreirista, que acredita ser possível, por esforço próprio e mais as alcunhas de plantão, galgar postos, assumir comandos; e o educador, que encontra resultados ao provocar seus alunos para o conhecimento. No dizer do pensador Içami Tiba: "o mestre é um caminho para seu aprendiz chegar à sabedoria. O aluno tem de superar o professor. O verdadeiro mestre se orgulha de ter sido um degrau na vida do aprendiz." 

Este não é um caminho fácil. A similaridade com o sacerdócio, possivelmente, se deve ao papel que se desempenha na vida de uma pessoa e a gratificação vem porque somos "professores" para sempre. Em qualquer ambiente, sempre encontramos alguém que nos acarinha com a lembrança: pode não lembrar de nosso nome, mas marcamos com a presença em sua vida. Não é um título, é um reconhecimento!

Qual é o seu diferencial? Todas as experiências que fogem da burocracia e do carreirismo apontam para professores que foram para sala de aula não apenas sabendo o conteúdo que desejavam passar. Queriam mais: disponibilizar o que sabiam e seduzir os alunos para que eles mesmos se apropriem do seu desenvolvimento. Depois disto, o educador passa a ser uma referência, que não ensina uma disciplina por aquilo que se "decora", mas encontra efeitos práticos na vida de cada um.

Falar do papel do professor, hoje, é falar de uma parte do processo que se precisa discutir. Valorizar o seu desempenho passa, também, por melhores salários, melhores condições de estruturas físicas e pedagógicas. Mas passa por reencontrar a associação que havia entre família e escola, em que a primeira iniciava o processo de educação que, depois, iria continuar nos bancos escolares.

O pensamento é do saudoso Içami: "Ensinar é oferecer alimento saboroso, nutritivo e digerível àqueles que querem saber mais". Aqui está o começo de tudo. No que vai dar? Não há como prever. A cada início de semestre, o educador se coloca diante de um novo desafio porque, também no dizer de Içami Tiba: "ensinar é um gesto de amor!"

Comentários (0)





Fechar  X

Ensinar: um gesto de amor




Enviado com sucesso!

Em breve, o Jornal Tradição
Regional entrará em
contato com vocé.

ok

Manoel Jesus

Educador



manoeljss@hotmail.com

Arquivo

Publicidade

Publicidade



Jornal Tradição Regional - O elo da notícia até você.

Av. Imperador Dom Pedro I, 1886, sala 1 - Bairro Fragata - CEP: 96030-350 - Pelotas/RS

E-mail: jornaltradicao@jornaltradicao.com.br / Telefone: (53) 3281 1514

© Todos os direitos reservados