Domingo, 16 de dezembro de 2018, 00:52h


Publicidade

Tordilho
Sicredi

Este conteúdo precisa do Adobe Flash Player instalado.

Get Adobe Flash player


Newsletter

Jornal Tradição

Ano XII - Número 638 dezembro - 2018

Fechar X

Ano XII - Número 638

dezembro - 2018


Galerias

Publicidade

Especiais

Jornal Tradição

Caderno Agronegócio - Edição IV 2018/11

Receitas

Pêssego Trufado

Assine


Home Colunistas

Versão do Fato

2015-10-13 Farmácia Popular - "é preciso cuidar de gente"

Semana passada, o governo federal anunciou cortes no seu orçamento para 2016, inclusive na Farmácia Popular. Os defensores da presidente dizem que os programas de financiamentos de medicamentos dos estados e municípios continuam. Não é a mesma coisa. O certo é que o acesso a medicações através das farmácias convencionais melhorou sensivelmente para aqueles que, muitas vezes, tinham que optar na hora de investir na recuperação do próprio organismo.

Quando o governo disse que cobriria a conta para quem utilizasse medicações de uso contínuo - pressão e colesterol, ou mesmo fraldas - concordei: muitas receitas emitidas pelos médicos trancam nos preços ou na opção entre comprar algo para um filho ou seu tratamento. Não há mais desculpas, pois se paga apenas simbolicamente uma taxa das farmácias (sem sentido, já que a cobertura é integral).

O médico J. J. Camargo deu entrevista esta semana dizendo que seu norte é simples: "gosto de gente!" Este foi o motivo para ele se tornar referência na relação profissional/paciente. Prefere ser honesto e reconhecer seu desconhecimento do que enganar a pessoa doente ou sua família. A honestidade na relação com aqueles que o procuram e o sentimento de gratidão traçam um caminho onde existem situações em que a realidade mostra "apenas um médico confessando, como qualquer pessoa, que tem momentos na vida em que não há nada melhor para fazer do que sentar e chorar"!

O paralelo entre a ação administrativa e o humanismo de J. J. Camargo estampa que, em muitos casos, os administradores de plantão esquecem que seu papel é, exatamente, cuidar de gente. E gente não pode ser apenas contabilizada e incluída em estatísticas, precisa de atenção especial e políticas diferenciadas para deixar de encher postos de saúde, prontos-socorros e hospitais com doenças elementares, que podem ser tratadas preventivamente.

Os cortes do governo são necessários. Mas na atual situação da saúde, educação e segurança, acabou a gordura e está se estraçalhando a carne! Ainda há mordomias a serem negadas e uma máquina de governo a ser desmontada sem que se sinta absolutamente a sua falta. Infelizmente, chegamos ao fundo do poço e não há "nada mais massacrante para um médico consciente do que a percepção da morte evitável", diz J. J. Camargo. Verdade. Triste um país que experimentou dias melhores e se contenta em deixar sofrer parte dos seus cidadãos, acabando até com um dos direitos mais elementares: o acesso a um tratamento e medicações que curem ou minorem a sua dor!

Comentários (0)





Fechar  X

Farmácia Popular - "é preciso cuidar de gente"




Enviado com sucesso!

Em breve, o Jornal Tradição
Regional entrará em
contato com vocé.

ok

Manoel Jesus

Educador



manoeljss@hotmail.com

Arquivo

Publicidade

Publicidade



Jornal Tradição Regional - O elo da notícia até você.

Av. Imperador Dom Pedro I, 1886, sala 1 - Bairro Fragata - CEP: 96030-350 - Pelotas/RS

E-mail: jornaltradicao@jornaltradicao.com.br / Telefone: (53) 3281 1514

© Todos os direitos reservados