Quarta, 19 de setembro de 2018, 03:00h


Publicidade

Sicredi
Tordilho

Este conteúdo precisa do Adobe Flash Player instalado.

Get Adobe Flash player


Newsletter

Jornal Tradição

Ano XIII - Número 625 setembro - 2018

Fechar X

Ano XIII - Número 625

setembro - 2018


Galerias

Publicidade

Especiais

Jornal Tradição

Caderno Especial Semana Farroupilha 2018 2018/09

Receitas

Bolo Brownie

Assine


Home Colunistas

Versão do Fato

2015-09-14 Um olhar que perdeu a esperança

Tive duas experiências que nunca esqueci com a questão do aborto. Na primeira, encontrei um texto a respeito, supostamente narrado pelo feto, contando suas experiências desde a concepção, até ter sua vida interrompida. Num rompante, resolvi ler para uma amiga, então com bem mais idade. Seu olhar foi se toldando até que saiu da sala em prantos. Fiquei embasbacado. Outra colega me salvou: a amiga tivera um aborto espontâneo e nunca conseguira superar a perda daquele que seria seu primeiro e único filho. Sugeriu, também, que não fizesse nada, pois já tinha causado estrago suficiente.

Pela mesma época, tive um amigo com o qual gostava de sair e que, lá pelas tantas, começou a se mostrar reticente, indiferente, apático. Depois de algum tempo, a confissão: namorava uma menina que tinha engravidado. Ambos não se achavam em condições de criar um filho. No afã do momento, resolveram que o aborto era a melhor solução. Estavam recém iniciando a vida, estudando, pretendendo ocupar cargos nas empresas em que trabalhavam e um filho "atrapalharia suas vidas". Guardei a impressão de que, com a criança, morrera também a inocência; no olhar, um sentimento de vazio, a sensação de que algo estava perdido para sempre, mesmo que o destino lhes desse novos filhos.

Foi do que lembrei quando o papa Francisco recomendou aos padres usarem de misericórdia para com aqueles que praticaram o aborto e se arrependeram. Para os cristãos católicos pode ser uma bênção e um consolo. Mas não é uma cura. O que está feito, está feito. As marcas como consequência acabam dando novos traços a feições que cicatrizam feridas que nem mesmo a fé apaga completamente.

O papa Francisco anunciou que, durante a celebração do Jubileu da Misericórdia, os padres poderão "absolver" mulheres que cometeram “o pecado do aborto”, porque “o perdão de Deus não pode ser negado a todo aquele que se arrepender” e “muitas delas têm uma cicatriz no coração por essa escolha sofrida e dolorosa”. Explica que “alguns vivem o drama do aborto com uma consciência superficial, quase sem se darem conta do gravíssimo mal de um ato dessa natureza”, mas que muitos outros, por outro lado, o vivem “como uma derrota” porque “acreditam não ter outro caminho por onde ir”.

Uma das mais bonitas características do Deus cristão é, exatamente, que Ele usa de misericórdia. Esta palavrinha mágica dá sentido à relação de fé entre o ser humano e a sua divindade. Mesmo percorrendo caminhos de difícil entendimento, ainda sabe que é bem acolhido em Seus braços. Este é o motivo pelo qual a maior parte daqueles que se afastaram de uma religião o fazem, não porque duvidem de Deus, mas porque, muitas vezes, "religiosos" não sabem ser homens e mulheres de Deus. Especialmente ao usar da misericórdia. São mais severos que o próprio Criador.

Ao recordar dos amigos envolvidos nos dois casos, tenho certeza de que encontram consolo nas palavras do papa Francisco. Embora saibam que não há remédio que os faça esquecer. Nosso processo de amadurecimento passa pelo fato de reconhecer que tudo o que fazemos ou que nos fazem deixam marcas. Sem a pretensão de julgar e condenar, a cada um de nós, basta a culpa (cultural ou não) que sentimos, lamentar a perda de uma vida e o quanto pode ser doloroso um olhar que perdeu a esperança.

Comentários (0)





Fechar  X

Um olhar que perdeu a esperança




Enviado com sucesso!

Em breve, o Jornal Tradição
Regional entrará em
contato com vocé.

ok

Manoel Jesus

Educador

manoeljss@hotmail.com

Arquivo

Publicidade

Publicidade



Jornal Tradição Regional - O elo da notícia até você.

Av. Imperador Dom Pedro I, 1886, sala 1 - Bairro Fragata - CEP: 96030-350 - Pelotas/RS

E-mail: jornaltradicao@jornaltradicao.com.br / Telefone: (53) 3281 1514

© Todos os direitos reservados