Domingo, 22 de julho de 2018, 02:05h


Publicidade

Sicredi
Tordilho

Este conteúdo precisa do Adobe Flash Player instalado.

Get Adobe Flash player


Newsletter

Jornal Tradição

Ano XIII - Número 617 julho - 2018

Fechar X

Ano XIII - Número 617

julho - 2018


Galerias

Publicidade

Especiais

Jornal Tradição

Caderno Especial 161 anos de Canguçu 2018/06

Assine


Home Colunistas

Versão do Fato

2012-09-14 Uma chance para a vida: aumenta a doação de órgãos

 

Na semana passada, a imprensa destacou o aumento no número de doadores de órgãos no Brasil. Ainda bem que, no Rio Grande do Sul, há algum tempo, isto vem sendo expressivo, pois além de campanhas muito bem feitas - destaque-se o trabalho da Adote, capitaneada pelo Chico Assis - ainda temos hospitais de referência para transplantes.

Passando, agora, algum tempo dentro de hospitais, acompanhando minha mãe, pude ver o quanto este trabalho é fundamental. Encontramos pessoas que poderiam ser beneficiadas e mudar a sua qualidade de vida, somente com o resultado das estatísticas de acidentes de trânsito.

Senão, vejamos: no último final de semana, mais de 40 pessoas perderam a vida em acidentes nas estradas gaúchas, ou pela violência. Se, ao menos, a metade fosse doadora, em curto espaço de tempo teríamos diminuído sensivelmente as filas de espera e de agonia.

Meu pai foi o precursor em colocar na sua carteira de identidade que era doador. Logo em seguida, também coloquei na minha um selo da Adote que mostra a minha disposição de que, em caso de falecimento, também meus órgãos sejam doados.

Mas não é suficiente. Infelizmente, a última decisão é da família. Por este motivo, é necessário que se estabeleça uma espécie de "equipe de motivação". Por ser um momento de fragilidade, em muitos casos, a decisão fica difícil. As pessoas não se dão conta de que a doação é uma forma de fazer aquele ente querido continue vivendo. Não queremos perdê-los, mas porque deixar que seus órgãos voltem a terra, se podem salvar diversas vidas?

O doador, antes de tudo, precisa conversar muito com seus familiares para mostrar sua decisão. E, no momento do infortúnio, amigos e demais familiares têm que estar presente e auxiliar na efetivação deste desejo. Afinal, a viagem final não se faz com o corpo, mas sim com o espírito. E, creio, ele fica mais leve se não nos apegarmos àquilo que "é pó e ao pó voltará".

Comentários (0)





Fechar  X

Uma chance para a vida: aumenta a doação de órgãos




Enviado com sucesso!

Em breve, o Jornal Tradição
Regional entrará em
contato com vocé.

ok

Manoel Jesus

Educador

manoeljss@hotmail.com

Arquivo

Publicidade

Publicidade



Jornal Tradição Regional - O elo da notícia até você.

Av. Imperador Dom Pedro I, 1886, sala 1 - Bairro Fragata - CEP: 96030-350 - Pelotas/RS

E-mail: jornaltradicao@jornaltradicao.com.br / Telefone: (53) 3281 1514

© Todos os direitos reservados