Segunda, 23 de julho de 2018, 12:44h


Publicidade

Sicredi
Tordilho

Este conteúdo precisa do Adobe Flash Player instalado.

Get Adobe Flash player


Newsletter

Jornal Tradição

Ano XIII - Número 617 julho - 2018

Fechar X

Ano XIII - Número 617

julho - 2018


Galerias

Publicidade

Especiais

Jornal Tradição

Caderno Especial 161 anos de Canguçu 2018/06

Assine


Home Colunistas

Versão do Fato

2012-08-31 A síndrome da Avenca

 

Quem pôde passear pela encosta de um morro, por caminhos ou estradas de chão, em direção a uma sanga, sabe o quanto é prazeroso andar por sobre as pedras, ou com a água pelas canelas, sentar numa encosta e aproveitar o verde da mata e o canto de pássaros que se perdem na distância. Neste clima privilegiado pela luminosidade difusa e a umidade ideal desenvolvem-se samambaias e surgem, também, as Avencas.

Depois de viverem em paz na natureza, foram transformadas em plantas ornamentais, transferindo-se para jardins e interiores das casas. Certamente, uma das frases mais populares entre aqueles que lidam com este vegetal é: “frágil como uma Avenca”. Nem vento demais, nem ar de menos; nem sol demais, também nada de escuridão absoluta; nem excesso de água, ou a aridez do seu abandono.

No conhecimento popular, é uma espécie de “afastadora de maus olhados”. Dizem até, a boca pequena, é capaz de absorver energia negativa, podendo murchar se houver algum invejoso na área. Pois é aí que inicia minha história: uma amiga contou que, ao ganhar uma muda, também recebeu a recomendação de que, se passasse por algum momento difícil, não se preocupasse com os transtornos que causaria à planta.

Descrente, plantou-a com todas as recomendações de jardinagem, mas esqueceu dos avisos. Algum tempo depois, quando passou por um processo de investigação de câncer, veio a comprovação: a planta passou a sofrer com ela. Primeiro, as folhas secaram. Ao receber a comprovação de que era benigno, sujeito a tratamento, começou a refazer sua própria vida, assim como a encontrar os novos brotos na Avenca!

Tenho duas mudas: ganhei uma e a outra nasceu num vaso de flor. Hoje, vejo-me na dúvida, pois uma está em seu apogeu, exalando vitalidade, com muitos brotos novos. A outra, no entanto, desfaleceu e está completamente podada. Um pouco é este tempo maluco em que tivemos uma Primavera antecipada em pleno Inverno. Se não for assim, vou ter que consultar um especialista em Avencas para saber como tratar dos seus e meus humores: quem sabe está nascendo aí a síndrome da Avenca.

Comentários (0)





Fechar  X

A síndrome da Avenca




Enviado com sucesso!

Em breve, o Jornal Tradição
Regional entrará em
contato com vocé.

ok

Manoel Jesus

Educador

manoeljss@hotmail.com

Arquivo

Publicidade

Publicidade



Jornal Tradição Regional - O elo da notícia até você.

Av. Imperador Dom Pedro I, 1886, sala 1 - Bairro Fragata - CEP: 96030-350 - Pelotas/RS

E-mail: jornaltradicao@jornaltradicao.com.br / Telefone: (53) 3281 1514

© Todos os direitos reservados