Segunda, 10 de dezembro de 2018, 05:59h


Publicidade

Tordilho
Sicredi

Este conteúdo precisa do Adobe Flash Player instalado.

Get Adobe Flash player


Newsletter

Jornal Tradição

Ano XVIII - Número 637 dezembro - 2018

Fechar X

Ano XVIII - Número 637

dezembro - 2018


Galerias

Publicidade

Especiais

Jornal Tradição

Caderno Agronegócio - Edição IV 2018/11

Receitas

Pêssego Trufado

Assine


Home Colunistas

Versão do Fato

2012-02-10 Fraternidade e Saúde Pública

Tradicionalmente, na Quarta-Feira de Cinzas (encerramento do Carnaval), a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil lança a Campanha da Fraternidade. Este ano, também participam diversas igrejas cristãs. O tema é provocante: “Fraternidade e Saúde Pública”; o lema é incendiário: “Que a saúde se difunda sobre a Terra”. Esta é uma área preocupante para países do Terceiro Mundo ou emergentes (como é considerado o Brasil), assim como educação, moradia, segurança... A forma colocada pela Igreja Católica permite um olhar sobre a saúde pessoal, coletiva, assim como o instrumental colocado a serviço da população para que possa ter saúde física e psíquica. Embora o tema seja bem claro: “saúde pública”, aquela que, conforme a Constituição Federal, é um direito de todo o cidadão e deveria ser propiciada pelo Estado, também se deve olhar para a forma como muitas instituições – inclusive a própria Igreja Católica – atuam nela. Recentemente, numa reunião, foi dito por um religioso que os diversos serviços de saúde mantidos pela Igreja através de Universidades, por exemplo, poderiam corresponder ao atendimento de até 40 por cento da população.   Olhar para o sistema único de saúde é olhar para algo que já conhecemos, na maior parte, com grandes dificuldades e, em muitos casos, negando o elementar direito à vida. Será que basta? Os analistas da área dizem que um eficaz sistema de urgência e emergência é muito difícil e o que precisamos é de prevenção. Nesta aposta, encontram-se os grupos que praticam algum tipo de atividade física ou mesmo os atendimentos médicos e de enfermagem domiciliares, capazes de evitar que muitos casos se agravem.   Há a necessidade de pensar os espaços cristãos. São muitas as paróquias e comunidades com espaços ociosos. Também é verdade que muitos cursos de fisioterapia e de educação física procuram onde fazer a aplicação daquilo que aprendem na teoria. Talvez este não seja o momento de reinventar a roda. Quem sabe somar dois com mais dois dá um simples quatro, ou seja, juntando estruturas com potencial e alunos com grandes expectativas? A saúde de todos nós, com certeza, agradeceria.

Comentários (0)





Fechar  X

Fraternidade e Saúde Pública




Enviado com sucesso!

Em breve, o Jornal Tradição
Regional entrará em
contato com vocé.

ok

Manoel Jesus

Educador



manoeljss@hotmail.com

Arquivo

Publicidade

Publicidade



Jornal Tradição Regional - O elo da notícia até você.

Av. Imperador Dom Pedro I, 1886, sala 1 - Bairro Fragata - CEP: 96030-350 - Pelotas/RS

E-mail: jornaltradicao@jornaltradicao.com.br / Telefone: (53) 3281 1514

© Todos os direitos reservados