Domingo, 21 de janeiro de 2018, 12:50h


Publicidade

Festival Sesc
Sicredi
Sicredi

Este conteúdo precisa do Adobe Flash Player instalado.

Get Adobe Flash player


Newsletter

Jornal Tradição

Ano XII - Número 591 janeiro - 2018

Fechar X

Ano XII - Número 591

janeiro - 2018


Galerias

Publicidade

Especiais

Jornal Tradição

Caderno Especial de Natal 2017 2017/12

Assine


Home Colunistas

Versão do Fato

2017-09-29 Suicídio - um sonho que morreu no caminho

Entidades ligadas à saúde provocam a discussão em torno de um tema considerado tabu: o suicídio. Tratado como um problema público, já que a incidência aumenta em tempos de crise. A conjugação de fatores que caracterizam nosso jeito de viver em sociedade formou o cadinho em que ficar atento, especialmente aos jovens, é mais do que necessário.

Numa ocasião, ouvi um palestrante dizer que este era um “ato de coragem”, porque para chegar a atentar contra a própria vida é um longo caminho, onde, especialmente, vai-se perdendo o sentido da vida, tomando o isolamento por atitude existencial e bloqueando a maior parte das relações.

Sempre fiquei com a impressão - dos casos que conheci - é de que as pessoas foram se anulando, dando sinais de que precisavam de socorro, mas que, na maior parte das vezes, não foram detectados. Em muitos casos, a depressão e o afastamento do convívio social dão a impressão de ser apenas fase passageira.

Os silêncios, as ausências, a introspecção exagerada não fazem parte apenas de um caráter tímido. Aceitar que se tem um “doente” em casa é um passo que a maior parte das famílias não consegue dar por diversos motivos: achar que tudo pode se resolver naturalmente ou serem incapazes de ver o que está se passando.

O Rio Grande do Sul é um dos estados em que mais se atenta contra a vida. O dobro da média nacional - cerca de mil óbitos por ano. Para os jovens entre 15 e 19 anos é o segundo motivo de óbito, perdendo apenas para a violência. Um número silencioso porque se instituiu um “pacto” em que este tema dificilmente vem a público e, quando vem, em seguida, é silenciado.

Jornadas, associações, área da saúde e meios acadêmicos levantam uma lebre arisca. Mas serão apenas dados estatísticos se não houver uma preocupação sério e bem informada por parte das famílias. Chegar a um ato de desespero mostra que no meio do caminho se tomou um rumo equivocado e os sinais foram ignorados.

Uma educadora dizia que num olhar se percebe quando um garoto está com problemas. Deixar de olhar para flagrar um pedido de socorro é omissão. Em meio a tantos pesadelos, alimentar os sonhos é o jeito de acertar caminhos. Restaurar a confiança faz a diferença entre terminar com a vida ou o rumo da realização pessoal.

Comentários (0)





Fechar  X

Suicídio - um sonho que morreu no caminho




Enviado com sucesso!

Em breve, o Jornal Tradição
Regional entrará em
contato com vocé.

ok

Manoel Jesus

jornalista










manoeljss@hotmail.com

Arquivo



Jornal Tradição Regional - O elo da notícia até você.

Av. Imperador Dom Pedro I, 1886, sala 1 - Bairro Fragata - CEP: 96030-350 - Pelotas/RS

E-mail: jornaltradicao@jornaltradicao.com.br / Telefone: (53) 3281 1514

© Todos os direitos reservados