Sexta, 22 de março de 2019, 12:21h


Publicidade

Tordilho
Sicredi

Este conteúdo precisa do Adobe Flash Player instalado.

Get Adobe Flash player


Newsletter

Jornal Tradição

Ano XII - Número 652 março - 2019

Fechar X

Ano XII - Número 652

março - 2019


Galerias

Publicidade

Especiais

Jornal Tradição

Caderno Especial JTR Verão IV 2019/02

Assine


Home Colunistas

Versão do Fato

2019-03-22 Desarmando os espíritos

Semana passada, o padre Fábio de Mello teve um dos seus textos transformado em “fake”. Transformado porque havia uma parte transcrita, vinculado pelo seu Twitter. Como sou dos “antigos”, confesso que achei o texto fake mais forte que o original. E embora as muitas pedras ideológicas e preconceituosas atiradas contra, com alta capacidade de convencimento e, especialmente, de reflexão.

O texto que não era do padre questionava o porte de armas, os jogos violentos, a omissão da escola, o bullying... para além destes sinais, afirmava que o problema está na desestruturação e no fracasso das famílias que não cumprem seu papel de educadoras: “não se acompanha mais de perto, a tecnologia substitui o diálogo, presentes compram limites e não há o conhecimento e respeito a Deus”.

Apela para o senso de responsabilidades de quem se omite e transfere culpas, havendo a necessidade de apontar o dedo para os outros, mas também para cada um nós, aí incluindo pais, professores, religiosos... “a culpa é minha, é sua, é de todos nós!” Cita, então, o padre Fábio: “A violência é o desdobramento de carências afetivas, da necessidade de ser visto e notado, ainda que da pior maneira”. 

O texto do padre Fábio fala da “vulnerabilidade social”, mas que é na proximidade do núcleo familiar que se pode perceber as necessidades e os conflitos que o outro (filho) está vivendo. Pode parecer chavão, mas no seu jeito tranquilo de se expressar, aponta o maior de todos os nossos problemas: “É justamente na construção da intimidade que erramos... o que nos vincula não é a obrigação, mas o amor”.

O texto foca na tragédia de Suzano e fiquei preocupado com meus sobrinhos (não tenho filhos), filhos de vizinhos, de amigos, alunos... que vivem o que aparece quando se desnuda a ferida da violência: “o desamparo emocional alimenta uma desolação silenciosa. A partir dela a pessoa passa a nutrir ódio pelos que estão felizes”.

Como compartilhei uma mensagem que não era do padre Fábio, fui para as redes sociais e encontrei no Twitter o original. Registrei, então, que mesmo assim sou contra a liberação de armas, por um motivo simples: há um estado com a obrigação de criar políticas e dar segurança ao cidadão, já que esta é a ponta do iceberg. 

Olhando para as casas é que encontramos a origem de nossos problemas. Em tempos tão conturbados e de tantos apelos à violência gratuita, é fundamental recuperar e dar capacidade aos pais de serem educadores. Só assim os jovens terão a esperança de viver mais e melhor. E de serem felizes. Desarmando os espíritos ainda temos uma chance porque, no olhar de muitas crianças e jovens se percebe o medo da morte e um apelo silencioso por esperança... e um pouco de amor!

Comentários (0)





Fechar  X

Desarmando os espíritos




Enviado com sucesso!

Em breve, o Jornal Tradição
Regional entrará em
contato com vocé.

ok

Manoel Jesus

Educador



manoeljss@hotmail.com

Arquivo

Publicidade

Publicidade



Jornal Tradição Regional - O elo da notícia até você.

Av. Imperador Dom Pedro I, 1886, sala 1 - Bairro Fragata - CEP: 96030-350 - Pelotas/RS

E-mail: jornaltradicao@jornaltradicao.com.br / Telefone: (53) 3281 1514

© Todos os direitos reservados